quinta-feira, 19 de maio de 2011

crime sexual - outra modalidade de espoliação do FMI

Em mais um dia de rotina exaustiva e enfadonha, uma camareira arruma uma suíte de hotel de luxo.  O hóspede sai nu do banheiro e, vendo a camareira, segue seu impulso mais animal abusando sexualmente e estuprando a mulher.


Este seria apenas mais um caso entre milhares de estupros que acontecem diariamente no mundo, poucos  punidos e muitos impunes. Mas desta vez o criminoso é o presidente do  FMI (o maior orgão de agiotagem mundial que explora as nações mais pobres). Dominique Strauss-Kahn (DSK) é o nome do algoz, branco europeu. Sua vítima, Nafissatou Diallo, uma negra africana. Pelo visto DSK está seguindo à risca o que já é de praxe de quem detém o poder econômico no mundo. Os donos do capital podem tudo. Nações mais pobres são "estupradas" diariamente, literalmente fudidas, assim como a camareira negra e pobre.


DSK alega inocência, diz que o ato sexual foi consentido. Nafissatou nega, afirma, ainda assustada, que foi estuprada - não é fácil denunciar um crime cometido por um homem de poder.


Matérias na imprensa comparam o caso aos escândalos sexuais do primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi,  ou do ex-presidente estadunidense Bill Clinton. Comparação lamentável, pois não se trata de simples escândalo sexual. Estupro é crime hediondo. Além disso trata-se de um crime que envolve sexismo e racismo numa América aonde o negro foi trazido à força e onde, durante séculos, foi explorado, torturado e subjugado.


Há uma tendência mundial, sob conivência da grande mídia, de minimizar os crimes praticados pelos países ricos, enquanto as nações pobres são tratadas como selvagens e bárbaras. Mas nunca esqueçamos que a barbárie começou entre povos anglo-saxões, celtas, gauleses, vikings,  todos originários da Europa. E a barbárie continua, disfarçada de ajuda humanitária, ajuda monetária, intervencionismo  e  anti-terrorismo. 


O continente africano (não citarei o Oriente Médio), sob o jugo do imperialismo ocidental do século XIX, foi transformado em colcha de retalhos, recortada e costurada por ingleses e franceses em benefício dos mesmos. Dividir pra dominar, é o lema dos países ricos, da Europa branca e da América estadunidense, seguidora da cartilha da exploração.  Não admira que a sede do FMI esteja fincada naquele solo. Enquanto isso aguardamos, displicentemente, que se faça justiça ao crime de estupro sofrido por Nafissatou que carrega em sua cor (e dor) o sofrimento atávico de uma África espoliada e estuprada.

5 comentários:

Loba disse...

Só vou dizer: queria ter escrito este texto. Ipsis litteris.
Beijo

Roy disse...

Exato, Sandra, exatamente isso. So esperamos que a justica seja feita agora.

bjx

Roy

Halem Souza disse...

Concordo com você: não se pode comparar um crime de estupro com aquilo que envolveu Bill Clinton e as bandalheiras rotineiras do primeiro-ministro da Itália.

Agora, há um ponto em toda essa (escabrosa) história ainda mais dramático. Além de violentada, essa moça está no olho do furacão de um tremendo imbróglio político, onde se misturam cachorros grandes.

Tomara que ela seja bem assistida e orientada. Um abraço.

P.S Você havia deixado um comentário lá no Sinistras. Eu respondi. Só que o Blogger teve problemas técnicos na quinta-feira passada e "deletou" parte do conteúdo de alguns blogs, afetando até a seção de comentários. Foi o caso. Lamento.

sandra camurça disse...

Loba, querida, grata!
Beijo

Roy, que a justiça seja feita!
Beijo

Halem, você tem razão, tem as eleições francesas do ano que vem, disputa sobre o próximo presidente do FMI... é muito político envolvido. Vamos torcer pra tudo dar certo pra essa moça.
A propósito, esse problema do sumiço dos comentários foi geral. Mas cheguei a ver sua resposta ao meu comentário, viu? grata!
Beijo

Ane Brasil disse...

Sandra, concordo em genêro, número... aliás, você escreveu exataemente aquilo que eu gostaria de ter escrito...
Infelizmente, ao que parece, as coisas tendem - por inércia - a não se modificarem.
Há coisa de um ano, 2 anos atrás um agente da imigração dos EUA veio aqui devolver um 'cucaracha' e acabou levando um gartoto de 12, 13 anos pra sua suíte de hotel... ficou por isso mesmo.
Nós, feios, sujos e malvados... hei, somos nós mesmo os feios, sujos e malvados?
Sorte e saúde pra todos