quarta-feira, 20 de agosto de 2008


quarenta golpes de língua

e minha buceta está no ponto -
já posso abrigar sua tormenta

sob o chumbo da nuvem
descarga elétrica forja a lâmina -
corta-me o céu da carne!

vermelho nos lábios da poça escaldada -
espelho da lua sangra
fervo a 100ºC
0
0

PS: Grata, muito grata a todos/as pelas congratulações de aniversário. Beijos! O tempo continua curto...

6 comentários:

Beti Timm disse...

Sandrinha,
Simplismente avassaladora!!!
Beijos despudorados

Moacy Cirne disse...

Mais uma salutar "prova" de literatura erótica, bucetalmente criativa em três momentos poéticos: golpes de língua e linguagem. Beijos.

Moacy Cirne disse...

O Balaio te aguarda... Beijos.

R.C disse...

Certa vez, papai andava pelas calles de Mexico City, enquanto ainda escrevia pro periodico colombiano, e, duvidando qual onibus poderia pegar, perguntou:

"Caray, manito, cual bus me lleva a" tal lugar. O Mexicano nao entendia o que ele queria dizer. Passados desesperos, e o mexicano finalmente entendeu o que meu pai queria dizer. "Ah, preguntas cual BUCETA le lleva a" tal lugar? Meu pai disse, sim, sim, sorrindo todo safo!

Quando o onibus passou, perguntou ao mesmo mexicano, preguicoso: "Y que tal, cojo esa BUCETA?" O Mexicano respondeu: "Pero si es tan macho..."

Meu pai so foi entender que "cojer" em mexicano eh o mesmo que "foder", ja que na Colombia, terrinha de mamae, "cojer" eh so "pegar".

Me lembrou papai teu poema, viu?

bjx

RF

Jens disse...

Bonito, sensual, intenso, atrevido, sapeca, ardente...
Um poema da Sandrix, claro.
Beijo, lindix.

BAR DO BARDO disse...

seu tempo curto-
circuito