terça-feira, 26 de maio de 2009

a fonte


Bastava pensar naquele rapaz, que a moça chorava. Chorava pelos cantos, pelas bordas, pelos lábios, pequenos e grande lábios. Pois a moça não chorava pelos olhos, chorava pela buceta. E seu choro não era de tristeza, mas de amor e desejo.

No início, resvalava suavemente pelas coxas. Depois ensopou lençóis e colchão até inundar a casa inteira. Então escorria por baixo da porta, descia o batente como queda d'água até tomar a rua e correr feito enxurrada sobre as galerias. Vez por outra contrariava as leis da física, dobrando esquinas e subindo ladeiras para espanto dos adultos e diversão da meninada. Mas, ainda que desvairada, aquela torrente tinha rumo certo e sabia exatamente aonde queria desaguar.


De súbito, parou em frente à porta da casa do tal rapaz e, sem hesitar, escorreu de soleira adentro. Sem compreender de onde vinha aquela água, o rapaz saiu à rua, curioso, e seguiu o curso d'água em sentido contrário. Quando alcançou a "nascente", surpreendeu-se. Ele conhecia aquela casa e a dona da casa. Ficou emocionado, respirou fundo e, num ímpeto, abriu a porta sem bater. Encontrou a moça nua, derramando-se na cama, encharcada e fumegante. Naquele instante, tudo o que desejou foi bebê-la. E assim o fez, embriagando-se dela, dentro dela.

6 comentários:

Moacy Cirne disse...

Sandra Sandra,
Seu texto, em sendo sexualismo puro, respira lirismo, respira magia, respira literatura fantástica. Muito bom.

Um beijo.

Jens disse...

Sensacional, Sandrix: realismo fantástico-erótico. Poesia em prosa. Gostei pra caramba.
Um beijo.

orlando pinhº d-silva disse...

beber desta agua
é uma sêde infinita - hc

saio embriagado!
bj.

Roy Frenkiel disse...

Sabe, Sandra, quando meu pai faleceu e foi enterrado, no cemiterio havia duas filas de enlutados: A primeira, homens e mulheres chorando, jogando flores, de todos os cantos do mundo, ate anao gigante apareceu. A segunda fila era so de mulheres que se agachavam, tiravam a calcinha e mijavam no tumulo fresco. Quando perguntei pra uma delas pq fazia isso, afinal, era meu pai que estava ali enterrado, a senhorita disse: "Cada um chora por onde mais sentia saudades".

Bjx

Roy

Giovanni Gouveia disse...

"foi um rio que passou na minha vida, e meu coração se deixou levar..."

BAR DO BARDO disse...

Construção minuciosa de uma linguagem erótica, em tom de parábola... ou de salmo...