quarta-feira, 29 de abril de 2009

Inocência

Quando alguém dizia a Severina que ela era uma menina muito mentirosa, ela logo se defendia dizendo:
- Eu não minto, eu invento.
E Severina realmente inventava histórias fantásticas! Dizia que queria ser escritora, cientista, poeta, artista... Aos oito anos de idade Severina queria ser tudo e mais alguma coisa, enquanto Chiquinho, seu irmãozinho mais novo, ouvia suas histórias com admiração e depois dizia:
- Severina, me ensina a inventar.

12 comentários:

Moacy Cirne disse...

Preciso compartilhar minha alegria com os amigos: o Itans está sangrando!

Um beijo.

Moacy Cirne disse...

Ah, sim, que postagem mais encantadora... Gostei um bocado.

Outro beijo.

Jens disse...

Encantadoras, Sandrix: você, a Severina e a historinha.
Beijo.

romério rômulo disse...

sandra:
te encontrei no moacy,o homem caicoense do balaio.
romério

Cris disse...

Oi, Sandra,

Não imagina como fico feliz com tua presença lá no sítio.E vindo aquí, sempre um prazer. Arte genuína, cheirando a terra molhada.

Beijão.( Não suma!)

vais disse...

Sandrinha,
que doce, aquela coisa fofa, gostosa, que lindo do Chiquinho.
vocë sabe como encantar
A Juninha ganhou livros da escola, uma maravilha, e um deles, Exercícios de ser crianca de Manoel de Barros, com duas pequenas histórias lindas, todo ilustrado por bordados, um espetáculo, eu babo simplesmente, lembrei de vocë.
beijãããão bem grande

Márcia disse...

Muito bom, Sandra.

Moacy Cirne disse...

Sandra:
sua Inocência
pousou
delicadamente
no Balaio.

Um beijo.

pirata z disse...

Severina chique, chique.
besos

rouxinol de Bernardim disse...

Gostei muito desta Severina! Inventar é criar, é ser original, fugir ao estreotipo, à rotina.

Dê uma vista no meu blog e respire fundo! Inventar é comigo!

AB disse...

Criadora e criatura criativas. Muitos beijos de saudades!!!

Lou Vilela disse...

Texto encantador! ;)

Gostei daqui!

Bjs
Lou