sexta-feira, 18 de abril de 2008

Maurício Camurça (13/11/1928 - 17/04/2008)

Ontem à tarde Seu Maurício, enfim, descansou... Hoje, ao meio-dia, foi sepultado e homenageado por amigos e amigas de trabalho. Seu Camurça foi /é uma pessoa muito amada e admirada por muitos, não só pela esposa, filhas, neto, netas e outros parentes. Eu gostaria de falar mais um pouco mas acho que vai ficar pra outra vez.

PS1: pra quem não sabe Seu Maurício é meu pai. Ele sofria de Mal de Alzheimer há 8 anos e nos últimos 7 meses estava sobrevivendo em casa, em cima da cama, levando uma vida praticamente vegetativa. Agora ele está com os anjos, ou virou um anjo...
PS2: sou eu e ele na foto acima.

Abraços.

Ah, apesar da emoção ser um bocado forte (nem sei por quanto tempo essa dor vai doer) gostaria de dizer umas palavras que refletem a pessoa maravilhosa que meu pai foi. Quando criança, se perguntávamos a meu pai se podíamos fazer isso ou aquilo, ele respondia: "quando a gente quer fazer uma coisa a gente não pede permissão, a gente FAZ".

Mais abraços.

19 comentários:

César xrmr disse...

Sandra, lamento muito a morte do seu pai, o "seu" Camurça. Não o conheci, mas a pessoa que você é, e seu amor por ele, testemunham a pessoa maravilhosa que ele foi, e nos fazem ver quanta dor você deve estar sentindo no momento.

Daqui, do sul, te mando meu melhor abraço.

Cris disse...

Te lendo hoje cedo, antes de ir pra casa do meu pai,um cara que sobreviveu a 60 dias de UTI.

Te lendo priorizei uns sentimentos e modifiquei outros dentro de mim

Te lendo quero dizer que espero que a dor fique suportável , para que aguentes.Sei que irás aguentar.O amor bem dado e acumulado dentro de tí dará a força.

Que sujeito sábio. A frase dele sintetiza a vida. O resto é mesmo besteira.

Grande beijo, Sandra.

Moacy Cirne disse...

Sandra: Sua dor é a nossa dor. Estamos com você. Estamos com a memória de seu pai. Estamos com as suas lembranças. Um beijo grande.

Jens disse...

Um beijo, Sandrix. Um beijo e um abraço apertado.
Vai passar, mas se demorar, ou doer demais, pede ajuda pros amigos.
Te gosto.

orlando pinhº d-silva disse...

sandra,

daquí o meu mais confortável abraço. teu pai já esta no céu dos libertários; pleno no coração dos que amou e dos que o amaram.
cumprindo seu signo.

orlando.

Michele disse...

Como disse o Jens, a dor passa, mas se demorar, estamos aqui para ler e dar todo apoio possivel.
Deixe que o tempo resolva essa falta, não cubrirá, mas certamente ele esta em algum lugar mais interessante que esse.
Fique em paz.

Marcelo F. Carvalho disse...

Luz-Vida-Amor procê, Sandrinha! Sê forte e reta!
Beijos e abraços fortíssimos!

Anedanca disse...

Madrinha,
lamento muito!
Estou enviando energia pra ti!..
Beijo amada!!

Pirata Z disse...

Sandrinha, você sabe que vivenciei experiência muito, mas muito semelhante à sua, agora. Só o que posso lhe dizer, dada as condições a que tais doenças submeteram nossos pais, é que o descanso, nesses casos, era a única "cura" a oferecer-lhes um mínimo de conforto.
Fica a saudade, mas, com o tempo, você perceberá que seu pai pode até não mais estar COM você, mas estará EM você - sempre.
Bj, e conta comigo, se preciso.

R.C disse...

Quando há falecimento de um pai, pela religião judaica, dizem os fiéis ao enlutado: “Que o Lugar o console em todas as portas de Zion e Jerusalém.” O Lugar com ‘l’ maiúscula é mais um dos nomes do Deus judaico. Metaforicamente, claro, porque a vida é uma metáfora em si, o Lugar é a presença das pessoas que nos amam, que nos querem, que sofrem a mesma dor nossa (família), e mesmo que não a sofram, que disponham de alguns minutos para identificá-la (os amigos), o consolo que não precisa ser ao pé das portas de Zion ou Jerusalém, mas que pode vir de qualquer Lugar do mundo, e está conosco em nosso Lugar. Nossa tradição também pede que visitemos quem em luto, mas que não digamos mais nada até que do enlutado não sáia a primeira palavra. E você a disse, um grito sussurrado, essa dor que você não sabe quanto tempo dura. Infelizmente, sei que a dor durará para sempre, mas não será a mesma que testemunhar o seu sofrimento dos últimos 8 anos. Será a dor da ausência, Sandrinha, mas a presença dele jamais deixará de ser. Será aquele: “Queria que ele estivesse aqui,” ou talvez a raiva de, “poxa, você devia estar aqui,” mas Sandra, querendo ou não, acreditando ou não em almas, a presença dele estará sempre contigo. Será uma dor acompanhada do orgulho de ter convivido com ele, dele aprendido, a ele amado e por Seu Camurça ser amada. Sei porque o meu sempre caminha ao meu lado, mesmo descansando em seu canto no Butantã paulistano. Força, Sandra, sempre. Como disse o Jens, não desencane de pedir colo se precisar. A vida tem dessas, infelizmente. Dias melhores, não duvide, virão.

Beijos e abraços a ti e a toda a família,

Roy

Vais disse...

Sandrinha,
querida, querida amiga Sandrinha Camurça.
se precisar é só dizer, escrever
abraço bem apertado
beijo grande

sandra camurça disse...

GRATA A TODOS E TODAS PELA FORÇA E CARINHO.
AGORA ESTOU SEM TEMPO PARA POSTAR MAS ASSIM QUE PUDER POSTAREI NOVAMENTE E FALAREI UM POUCO MAIS SOBRE SEU MAURÍCIO, MEU PAI.
MUITO GRATA MEEEESMO!
BEIJOS & ABRAÇOS

Pierella disse...

retribuindo a visita..
muita cor por aqui! adorei
sinto pelo seu pai
beijo

Regina Ramão disse...

Oi, Sandra:

É difícil e inexplicável perdermos nossos queridos. Teu velho descansou e, pelo visto, foi uma pessoa que marcou de forma positiva a sua presença durante a sua viagem neste mundo.

Te seguras nas boas lembranças e alivia ali a tua dor. Aceitas também o aconchego dos amigos, abraços são muito bem-vindos nesta hora em especial. E quando vier a raiva, o vazio e a tristeza, que são acompanhantes do luto, infelizmente, lembra do sorriso do teu velho e te fortaleça com ele.

Existe uma mensagem deixada pelo maravilhos Charles Chaplin que diz:
“Cada pessoa que passa na nossa vida, passa sozinha, porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra. Cada pessoa que passa pela nossa vida passa sozinha, não nos deixa só, porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso.”

Beijo no teu coração e conta comigo para o que precisar.

Re

jorginho da hora disse...

Puxa, Sandrinha, eu lamento. Fico pensando quando for a hora dos meus pais também. Não vai ser facio.

Um abraço e conte comigo.

Rita disse...

Sandra, mando meu abraço e desejo de que a dor se transforme (no tempo que ela escolher) em dor diferente. Por hora, que o carinho de todos que te amam a conforte.

Vais disse...

Olá Sandrinha,
passei pra dizer um olá
mandar abraços e beijim
e pra dizer não some
força lindinha pra ti e os teus

Jens disse...

Oi Sandrix.
Só pra deixar um carinho. Força!

Jota Effe Esse disse...

Vim me refugiar e te encontrei chorando. Não chores, menina, a vida continua, a do seu Maurício tambem. Meu beijo.