sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Pense, num disco arretado!!!



“O forró é a mais injustiçada e discriminada das músicas que se fazem no Brasil. Por exemplo, a caudalosa discografia do forró, que teve seu auge nos anos 60 e parte dos 70, continua quase inteiramente fora de catálogo. Esta falta de cultura musical, levou as mais recentes gerações de forrozeiros a fazer e gravar basicamente xote, com letras que pouco diferem do que cantam as duplas sertanejas. O forró é um manto sob o qual se abriga uma grande variedade de ritmos, estilos, gêneros, inclusive o samba. Aliás, antigamente, no Nordeste, forró e samba tinham o mesmo significado. O forró e o samba eram a festa, onde se tocava do baião ao chorinho. Depois que o samba carioca foi alçado à música da nacionalidade, foi que o samba passou a designar um gênero musical. No Nordeste ele foi adaptado para a sanfona, o triângulo, a zabumba, mais violões, banjo, instrumentos de sopro. Era chamado "samba de matuto", ou "samba de latada". A latada, no caso, era uma extensão da casa, ou "puxada", coberta por folhas de flandres, onde aconteciam os forrós, ou sambas. O samba de latada teve como um dos maiores intérpretes o sanfoneiro Abdias, seguido pelo paraense Osvaldo Oliveira. 40 anos depois, Josildo Sá traz de volta ao disco esta nuance esquecida do samba. E vem na companhia de um dos maiores músicos do mundo, Paulo Moura. Não poderia tal contubérnio dar noutra. Um disco que nos leva àqueles sambas de latada dos anos 60. Daqueles que rescendiam a suor, perfume barato, com os casais grudados que nem carrapato. (...) Pense, num disco da porra!!”
(José Teles - Jornalista do Jornal do Commércio Recife/PE, Escritor, Pesquisador e Crítico Musical)
http://www.fabricaestudios.com.br
http://www.josildosa.com.br
http://www.paulomoura.com

5 comentários:

Lady Marmelade disse...

Ninguém valoriza o que vem do próprio Brasil...
Abraço
Apareça em nosso blog tbm

Jens disse...

Você é linda. Mais que demais. Feliz Natal!

Moacy disse...

Um ótimo texto, cara Sandra. Aliás, Paulo Moura, "lincado" por você, é um dos meus músicos favoritos. Beijos natalinos.

sandra camurça disse...

Moacy: o texto é um pouco mais longo. José Teles ainda faz comentários sobre algumas músicas(algumas lembram samba de gafieira) mas enfim, achei o suficiente o que eu publiquei. Assisti ano passado, durante o carnaval, o show desse disco, é maravilhoso! Hoje Josildo Sá e Paulo Moura se apresentam no Bairro do Recife mas não irei, sabe como é, né? Natal é tão família... Beijos.

sandra camurça disse...

Moacy, retificando: falei que assisti ao show ano passado, na realidade foi no carnaval desse ano. O disco demorou a ser lançado, né? Um beijo.