sábado, 18 de agosto de 2007

epidérmico

hoje não sou haicai
mas ainda sou poesia
e as portas estão abertas
para infinitas possibilidades

hoje sonhei colada ao teu corpo
lambi teu esperma entre os dedos
e nem ao menos sei o teu nome

3 comentários:

Moacy Cirne disse...

Oi,Sandra, gostei do seu poema (com forte apelo erótico) e de como você se aproveitou do imaginário capaz de nos levar ao sonho e às "infinitas possibilidades" da própria poesia. Ah, sim: na próximna semana tem Recife e Olinda no Balaio. Um beijo.

Fernanda Passos disse...

Hummmm!
Algo onírico. Bem típico de poetas. Rsrsrs. Sonhar com amantes sem rostos e sem nomes, mas que, às vezes, são bem reais.
Linda a poesia mulher.
Bjs.

ACANTHA disse...

Não custa repetir a pergunta, né?? Pq não publica um livro, SANDRA???