quarta-feira, 28 de maio de 2008

Fábula de um Arquiteto

(poema de João Cabral de Melo Neto)


A arquitetura como construir portas,
de abrir; ou como construir o aberto;
construir, não como ilhar e prender,
nem construir como fechar secretos;
construir portas abertas, em portas;
casas exclusivamente portas e teto.

O arquiteto: o que abre para o homem
(tudo se sanearia desde casas abertas)
portas por-onde, jamais portas-contra;
por onde, livres: ar luz razão certa.

2.
Até que, tantos livres o amedrontando,
renegou dar a viver no claro e aberto.
Onde vãos de abrir, ele foi amurando
opacos de fechar; onde vidro, concreto;
até refechar o homem: na capela útero,
com confortos de matriz, outra vez feto.




PS: apesar de ter abandonado a arquitetura esse poema continua me emocionando.

5 comentários:

Ana S. disse...

Sandra,
não conhecia esse poema. Adorei!
Tô numa onda super arquitetônica ultimamente. Fazer o quê? Estou imersa num projeto de escola e feliz da vida!

Beijos

Moacy Cirne disse...

João Cabral sempre emociona, minha cara amiga. E a logomarca de seu Refúgio está mais vibrante do que nunca. Beijos.

Jens disse...

Sandrix:
João Cabral é um dos nossos gigantes. Clap! Clap! Clap!
Beijo.

Cris disse...

Só emociona.
Ótima lembrança.
Beijão

orlando pinhº d-silva disse...

o mais claro e lúcido dos nossos poetas! um dos meus deuses!
bem oportuno sandra, trazer o cabral pra cá. onde ele des-refugia-se. muita gente ouviu falar, mas precisa conhecê-lo, de fato.
besos besos