quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Verme e a Estrela

Pedro Kilkerry/ Cid Campos

imagem do encarte do disco

Esta canção-poema faz parte do disco A Fábrica do Poema (1994) de Adriana Calcanhotto
O Verme e a Estrela é uma das músicas que eu mais gosto deste disco, seja pela melodia, pela letra, pela voz da própria Adriana e pela participação, especialíssima, de Augusto de Campos que empresta sua voz, suave e elegante, ao poema.




3 comentários:

Wilson Torres Nanini disse...

Sandra,

foi uma agradabilíssima surpressa me deparar, aqui, com "O verme e a estrela".

Sou devoto de "A fábrica do poema". A poesia de fato transborda as estripulias musicais, nos concedendo pérolas raríssimas.

Wally Salomão, Antonio Cícero e Arnaldo Antunes se nos dão a devorar, com muita espontaneidade poética.

Abraços!

sandra camurça disse...

Wilson, grata pela visita!
Sim, A Fábrica do Poema é um disco maravilhoso!
Já estou seguindo o Tertúlia Pão de Queijo.
Abraços

luiz gustavo disse...

“...dançam as estrelas
como se o silêncio conspirasse
contra a solidão do céu...”