sexta-feira, 17 de novembro de 2006

Quasar


...quase sempre é assim quase
na base do nunca faço
quase sempre faço tudo
assim quase
e a vida é quase tão
tão perfeitinha mas quase
nunca entro numa
quase fria e acerto o alvo
quase e então quase me faço
entender mas de quase tão

confusa assim quase quase digo
o que sinto e quase sigo
o caminho distante
da galáxia do quase
verbo brilhante
Quasar!

2 comentários:

João Áquila Lima dos Santos disse...

e quase eu entendo a postagem.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

brincadeirinha

sandra camurça disse...

Não tem muito o que entender. É um poema feito de ritmo ou disritmia, se preferir.